O Tempo: Santo Agostinho X Immanuel Kant

Entenda sobre os estudos do "tempo" segundo as perspectivas de dois filósofos divergentes

Por Euclides Moreira* | Foto: Shutterstock | Adaptação web Isis Fonseca

Estudo sobre o tempo

 

A origem do universo continua a ser um dos maiores questionamentos da humanidade. Desde a antiguidade, filósofos, religiões e até hoje a ciência fazem suas buscas para entender sobre a existência do universo em escala temporal ou em eternidade. O tempo levantas muitas especulações e dentro dessas, dois filósofos, Santo Agostinho e Immanuel Kant, apresentam uma pesquisa que merece ser analisada até os dias de hoje.

Ambos os pensadores possuem uma linha de pensamento divergente com pontos de proximidade, mas que ajudam a entender sobre a consciência do tempo. Agostinho apresenta o “tempo” a partir do contexto da fé judaico-cristã. Enquanto Kant, numa perspectiva dissociada da fé, própria da recente epistemologia moderna, trata-o como principio indispensável para o conhecimento.

A leitura de ambos impede o leitor de precipitar-se no equivoco de cogitar o “tempo” apenas como a passagem das horas, dias, estações etc. Esta pesquisa foi inteiramente executada a partir de estudos bibliográficos dos principais autores investigados e seus comentadores, tendo como obras basilares a obra Confissões de Santo Agostinho e Crítica da Razão Pura de Immanuel Kant, especificamente no que se refere ao tempo ou daquilo que é indispensável para a sua compreensão.

A abordagem trabalhada neste estudo foi de cunho qualitativo, e o raciocínio indutivo, partindo de um contexto filosófico mais abrangente para se chegar a uma abordagem específica: o tempo.

Deste modo, o leitor poderá apreciar as noções de tempo formuladas por estes dois autores, a fim de observar a mudança que ocorrera na forma de interpretação do “tempo” na antiguidade com Agostinho para o período moderno na visão de Immanuel Kant.

Para conferir na íntegra garanta a sua revista Filosofia Ciência & Vida Ed. 129!

Adaptado do texto “Proximidades e divergências”

*Euclides Moreira Guimarães Junior é graduado em Filosofia pelo ICSH/CESB.