Reportagens
Entrevista

Contra o pensamento dominante


Conhecido pelo livro Tratado de Ateologia, o filósofo e romancista francês Michel Onfray destaca-se por seu combate à "história oficial" da filosofia e pelo seu engajamento no projeto Universidade Popular, uma nova forma de conceber a educação


por Matheus Moura* tradução Joana Peixoto e Júlio César dos Santos

Tido por muitos, principalmente pela mídia, como o sucessor de Michel Foucault (1926-1984), Michel Onfray pode ser considerado - se não o sucessor de Foucault - ao menos o filósofo francês mais lido na atualidade. Parte desse interesse todo que ele desperta nos leitores está em dois aspectos latentes em suas obras: o ateísmo e o "outro lado da história" que prima em mostrar.

Além da proficiência na escrita - Onfray é também romancista com dezenas de livros publicados -, outro ponto que chama atenção na carreira do autor é o envolvimento dele com a educação

Papa João Paulo II
O Papa João Paulo II, ou melhor, Karol Józef Wojtyła, nasceu em 18 de maio de 1920 e faleceu no dia 2 de abril de 2005. Em 1978, aos 58 anos, tomou posse do posto máximo da Igreja Católica Apostólica Romana, tornando-se ainda Soberano da Cidade do Vaticano. Dentre todos os papas, João Paulo II teve o terceiro maior pontificado já registrado, sendo superado apenas pelos Papas São Pedro e Pio IX. Natural de Wadowice, na Polônia, foi o único Papa polaco da instituição. Na história recente, a era de João Paulo II foi marcada por atuações políticas, diplomáticas e sociais. Foi por meio dele que a relação entre cristianismo e judaísmo se tornaram amenas, além de ter sido figura chave para o fim do comunismo na Polônia. Apesar dos feitos positivos, foi duramente criticado por posturas retrogradas com relação à ciência, sociedade (principalmente sexualidade) e liberdades individuais.

O primeiro, por si só, já é controverso. Apesar da questão não ser tão nova, o ateísmo ainda é considerado tabu em certas discussões. No entanto, pela ótica de Onfray, a religiosidade e a sua negação são assuntos já bem definidos. O leitor pode conferir o desdobramento do pensamento do filósofo no livro Tratado de Ateologia, lançado em 2005 na França e que, na época, chegou a vender mais que a biografia do então recém-falecido Papa João Paulo II - considerado o maior papa dos últimos tempos. No livro, o autor trata de analisar os três monoteísmos: o cristianismo, o judaísmo e o islamismo, a apontar incoerências e contradições encontradas nos três livros sagrados de cada um: Bíblia, Torá e Corão, respectivamente. Um dos aspectos abordados é quanto à postura dessas religiões. Todas elas, apesar de pregarem a paz, como mostra Onfray, acabam por agirem de forma diametralmente oposta. Nas palavras do autor, "três milênios testemunham dos primeiros textos até hoje: a afirmação de um Deus único, violento, invejoso, quezilento, intolerante, belicoso, que gerou mais ódio, sangue, mortos, brutalidade do que paz." (Tratado de Ateologia, Martins Fontes, 2007).

Contradições à parte, o pensamento de Onfray, além de ateu, segue a linha da "contra-história da filosofia", ou seja, versa pelos meandros obscuros do pensamento dominante. Isso quer dizer que o filósofo, dentro do exercício de historiador da filosofia, procura trazer à tona, nos dias atuais, pensamentos por vezes esquecidos, relegados ao segundo plano por correntes vitoriosas como, por exemplo, o cartesianismo. Na série, que tem como título justamente a "Contra-história da filosofia", Onfray perscruta a vida, época e pensamento de vários autores.

No livro que abre essa série, As Sabedorias Antigas, os autores em destaque são: Leucipo, Demócrito, Hiparco, Anaxarco, Antífon, Aristipo, Diógenes, Filebo, Eudóxio, Pródigo, Epicuro, Filodemo de Gádara, Lucrécio e Diógenes de Enianda.

No segundo, O Cristianismo Hedonista, é a vez de Simão o mago, Basilides, Valentino, Carpócrates, Epifânio, Cerinto, Marcos, Nicolau, Amauri de Bena, Willem Cornelisz de Antuérpia, Bentivenga de Gubbio, Walter de Holanda, , Heilige de Bratislava, Johannes Hartmann de Amtmanstett, Willem van Hildervissem, Elói de Pruystinck, Quintin Th ierry, Lorenzo Valla, Marsílio Ficino, Erasmo e Montaigne.

Para o terceiro, Libertinos Barrocos, foram selecionados Charron, La Mothe Le Vayer, Aint-Évremond, Pierre Gassendi, Cyrano de Bergerac e Espinosa.

No quarto, recentemente lançado no Brasil, chamado de Os Ultras das Luzes, são tratados autores como Jean Meslier, La Mettrie, Maupertuis, Helvétius, D'Holbach e Sade. Todos os quatro volumes foram publicados no país pela WMF Martins Fontes.

PÁGINAS :: 1 | 2 | 3 | Próxima >>
 
 
Conhecimento Prático Geografia :: Reportagens :: Edição 56 - 2014
Comportamento de consumo
Conhecimento Prático Geografia :: Reportagens :: Edição 56 - 2014
A mídia e o cidadão
Conhecimento Prático Geografia :: Reportagens :: Edição 56 - 2014
Horizontes do Mercosul

Conhecimento Prático Filosofia :: Reportagens :: Edição 23 - 2010
Mito da Caverna:


Conhecimento Prático Filosofia :: Reportagens :: Edição 23 - 2010
O animal Político


Conhecimento Prático Filosofia :: Capa :: Edição 28 - 2011
Hannah Arendt, pensadora da política e da liberdade


Conhecimento Prático Filosofia :: Capa :: Edição 42 - 2013
Trabalho como conceito filosófico



Edição 48

Saiba antes de todos as novidades da revista




Capa
Artigo
Em Debate
Grosso Modo
Idéias
Reportagens
Filosoteca

Expediente
Assine
Anuncie
Fale conosco
Mande suas sugestões
Favoritos

Faça já a sua assinatura!
Conhecimento Prático Filosofia

Assine por 2 anos
12x de R$ 9,80
Assine!
Outras ofertas!
Conhecimento Prático Geografia

Assine por 2 anos
12x de R$
9,80
Assine!
Outras ofertas!
Conhecimento Língua Portuguesa

Assine por 2 anos
12x de R$
9,80
Assine!
Outras ofertas!
Conhecimento Prático Literatura

Assine por 2 anos
12x de R$
9,80
Assine!
Outras ofertas!

  ContentStuff - Sistema de Gerenciamento de Conteúdo - CMS