Reportagens
Ensaio

Adorno e o ensaio como forma


Em oposição às pretensões totalizantes e esquemáticas do método científico, o ensaio pretende, de acordo com o teórico frankfurtiano, ser um convite às formas criativas de reflexão, captando, assim, o movimento do pensar


por Henrique Iafelice*

"O ensaio coordena os elementos, em vez de subordiná-los; é só a quintessência de seu teor, não o seu modo de exposição é comensurável por critérios lógicos"

Gilles Deleuze
Gilles Deleuze (1925-1995) foi um filósofo francês, autor de livros como Nietzsche e a Filosofia, Proust e os Signos, Diferença e Repetição e, com Felix Guattari (1930- 1992), O Anti-Édipo e Mil Platôs.
Domínio Público

Segundo Gilles Deleuze, é possível pensarmos em duas críticas. A primeira relaciona-se as "falsas aplicações" em que é criticada a falsa moral, a falsa religião, falsa filosofia etc. A segunda procura focalizar-se na verdadeira moral, na verdadeira religião. Ou seja, ela ataca diretamente o conhecimento ideal, as verdadeiras formas. De forma semelhante, a crítica presente no ensaio não busca criticar o falso, o inverdadeiro, pois caso o fizesse já estaria afirmando de antemão a possibilidade de uma verdade final e objetivante. Ao criticar o falso, supõe-se que o verdadeiro exista e, nesse caso, seria necessário trazê-lo à luz. Tal crítica impõe de forma implícita valores de verdade que fogem ao propósito do ensaio, pois, em si mesmo, ele não comporta qualquer afirmação que não seja apenas movimento e passagem para algo que ultrapassa as suas próprias delimitações. "Enquanto se satisfaz em criticar o "falso" não se faz mal a ninguém a verdadeira crítica é a crítica das verdadeiras formas e não dos falsos conteúdos (...)"(DELEUZE, 2006, p. 179).

Ao desenvolver a sua crítica, percebe-se, no ensaio como forma, a inclinação de não deixar-se limitar pelas próprias afirmações, pois toda a sua verdade sempre o leva para além de si mesmo. Por mais paradoxal que pareça, o ensaio não poderia estabelecer-se de forma final em suas próprias afirmações, pois isto já o colocaria dentro de uma forma limitada em que suas afirmações seriam elas mesmas a destruição de toda possibilidade de estabelecer-se além de suas próprias afirmações. Segundo Adorno, "no ensaio, elementos discretamente separados entre si são reunidos em um todo legível; ele não constrói nenhum andaime ou estrutura (...) Essa configuração é um campo de foças, assim como cada formação do espírito, sob olhar do ensaio, deve se transformar em um campo de forças".

Ao criticar o falso, supõe-se que o verdadeiro exista e, nesse caso, seria necessário trazê-lo à luz. Tal crítica impõe de forma implícita valores de verdade que fogem ao propósito do ensaio, pois, em si mesmo, ele não comporta qualquer afirmação que não seja apenas movimento e passagem para algo que ultrapassa as suas próprias delimitações

NIETZSCHE E ADORNO
Fica clara aqui a influência de Nietzsche sobre Adorno. Segundo a teoria das forças de Nietzsche, todo fenômeno se constitui a partir da relação de forças. A própria história de uma coisa se constitui a partir do confronto entre forças. Deleuze, em seu livro Nietzsche e a Filosofia, descreve que "um fenômeno não é uma aparência nem sequer uma aparição, mas um signo, um sintoma que encontra o seu sentido numa força atual (...) Um coisa possui tanto mais sentido quanto haja forças capazes de dela se apoderarem" (DELEUZE, 2001, p. 8)

A lógica discursiva não leva em conta as diversas forças presentes em todos os fenômenos e não é por menos que o ensaio instala-se exatamente nesse campo de combate de forças, pois ele busca recuperar aquilo que a lógica discursiva não possui. Ele reconhece que há uma multiplicidade de sentidos presente em um único objeto. Mas por outro lado, isso não quer dizer que ele descarte a lógica por completo. Ao contrário, o que ele faz é ultrapassá-la, ir ao seu limite, buscar um campo em que a própria lógica possa ser superada dentro de seus próprios limites. Se a lógica discursiva buscava a subordinação, a hierarquização de conceitos, no ensaio, sua lógica busca a coordenação desses conceitos. Nas palavras de Adorno: "O ensaio coordena os elementos, em vez de subordiná-los; é só a quintessência de seu teor, não o seu modo de exposição é comensurável por critérios lógicos".

Penso que o texto de Adorno deixa claro que o ensaio como forma abre a possibilidade de se estabelecer novas interpretações, novos olhares que, apesar de não estarem alinhados às estruturas lógicas e deterministas do discurso científico, podem trazer novas formas de conhecimento que colocam o subjetivo em evidência, ao contrário da lógica abstrata que só reconhece o valor do geral. Aceitar a realidade do instável, da mudança, do instante, é natural ao ensaio, por isso que para Adorno "a lei formal mais profunda no ensaio é a heresia. Apenas a infração à ortodoxia do pensamento torna visível, na coisa, aquilo que a finalidade objetiva da ortodoxia procurava, secretamente, manter invisível".

Apesar de estar, de certa maneira, determinado pela lógica discursiva, presente no discurso, o ensaio consegue subvertê-la indo além, estabelecendo novas interpretações conceituais que seriam impossíveis caso não houvesse uma estrutura que reconhecesse as complexidades e os conflitos presentes no próprio objeto de estudo.

REFERÊNCIAS
ADORNO, Theodor, W. Notas de Literatura l. Trad. Jorge de Almeida. São Paulo: editora 34.1991
DELEUZE, Gilles. A Ilha Deserta e Outros Textos. São Paulo: Iluminuras. 2006 ______________ Nietzsche e a Filosofia. Trad. Antônio M. Cavalcanti. Porto: 2001

*Henrique Iafelice é graduado em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP) e mestrando em Filosofia pela mesma instituição, com o projeto de pesquisa intitulado "Educação e ética do acontecimento à luz da filosofia de Gilles Deleuze. Da consciência moral à existência ética".

 

PÁGINAS :: << Anterior | 1 | 2 | 3
 
 
Conhecimento Prático Língua Portuguesa :: 15/10/14
Estilística e a evolução escrita
Conhecimento Prático Língua Portuguesa :: 15/10/14
Língua e cultura
Conhecimento Prático Língua Portuguesa :: 15/10/14
Classes de palavras

Conhecimento Prático Filosofia :: Reportagens :: Edição 44 - 2013
A falsa citação de Voltaire


Conhecimento Prático Filosofia :: Reportagens :: Edição 23 - 2010
Mito da Caverna:


Conhecimento Prático Filosofia :: Capa :: Edição 28 - 2011
Hannah Arendt, pensadora da política e da liberdade


Conhecimento Prático Filosofia :: Em Debate :: Edição 17 - 2009
A Arte de palavrear



Edição 49

Saiba antes de todos as novidades da revista




Capa
Artigo
Em Debate
Grosso Modo
Idéias
Reportagens
Filosoteca

Expediente
Assine
Anuncie
Fale conosco
Mande suas sugestões
Favoritos

Faça já a sua assinatura!
Conhecimento Prático Filosofia

Assine por 2 anos
12x de R$ 9,80
Assine!
Outras ofertas!
Conhecimento Prático Geografia

Assine por 2 anos
12x de R$
9,80
Assine!
Outras ofertas!
Conhecimento Língua Portuguesa

Assine por 2 anos
12x de R$
9,80
Assine!
Outras ofertas!
Conhecimento Prático Literatura

Assine por 2 anos
12x de R$
9,80
Assine!
Outras ofertas!

  ContentStuff - Sistema de Gerenciamento de Conteúdo - CMS