Construção compartilhada

Por Luz Maria Guimarães* | Foto: Shutterstock | Adaptação web Caroline Svitras

Um dos conceitos centrais em Filosofia Clínica é o da construção compartilhada. Sendo que não é nenhum tópico nem da Estrutura de Pensamento, e nem um submodo, a construção compartilhada está presente na raiz do entendimento da Filosofia Clínica.

 

Para que se estabeleça uma clínica de qualidade, o Filósofo Clínico faz uma redução fenomenológica, para escutar o que o partilhante traz como assunto imediato.

 

O fundamental é que, nessa escuta, a disposição do Filósofo de ir ao mundo do outro, sem julgamentos, possibilite o partilhante se sentir acolhido, e que encontre o espaço de manifestar sua expressividade, seja pela epistemologia, pelas emoções, ou qualquer outros pontos determinantes na sua estrutura de pensamento.

 

Os caminhos do pensamento

 

Nesse espaço que se abre na terapia, a pessoa encontra uma possibilidade de romper com as pressões sociais, no caso do estabelecimento de uma intersecção positiva, e passa a olhar de maneira diferente o que por hábito lhe era igual. Ou ainda, o processo clínico torna possível ao partilhante, o aprendizado de novos olhares, novas possibilidades. O que, em um momento é incômodo, porém à medida que vai sendo desconstruído e reconstruído os lugares das suas certezas, um novo sujeito renasce.

 

Onde entra a construção compartilhada, pois a clínica vai ser resultado da qualidade da intersecção entre o filósofo e o partilhante. Essa ideia é tão cara à Filosofia Clínica a ponto de sabermos que terapeutas diferentes terão interseções diferentes com a mesma pessoa, chegando a conclusões diversas no mesmo caso.

 

Isso ocorre porque, mesmo com a redução fenomenológica, o Filósofo não se isenta totalmente no processo clínico, trazendo um tanto das suas experiências no encontro com o outro.

 

Para conferir o artigo na íntegra garanta a sua revista Filosofia Ciência & Vida Ed. 128 aqui!

Adaptado do texto “Construção Compartilhada”

*Luz Maria Guimarães é graduada e pós-graduada em História pela Universidade Federal de Santa Catarina e especialista em Filosofia Clínica pelo Instituto Packter. Trabalha como terapeuta (filósofa clínica).